Encontro do PSDB lança Aécio à presidência em Curitiba

Em clima de campanha, o senador Aécio Neves (MG), presidente nacional do PSDB e provável candidato do partido à Presidência da República, lançou neste sábado, em Curitiba, o diretório regional Sul do partido, visando à construção da estratégia e do plano de governo da legenda para as eleições do ano que vem. O evento reuniu … Leia Mais


Irmãos Gomes deixam PSB e levam junto 338 filiados com mandato no Ceará

Ao deixarem o PSB, os irmãos Ciro e Cid Gomes levaram com eles 340 membros da legenda no Ceará. A carta de desfiliação foi entregue nesta sexta-feira (27) pelo presidente da Assembleia Legislativa do Ceará, José Albuquerque (ex-PSB), ao governador de Pernambuco Eduardo Campos, presidente nacional da legenda. Segundo a Folha de S. Paulo, a … Leia Mais


Artigo de Nelson Mota: Atualidades eleitorais e a Rede de Marina Silva

É um mistério denso e insondável como a floresta amazônica: como Marina Silva pode ter 26% das intenções de votos para presidente, sem sequer ser candidata, e não conseguir para a sua Rede Sustentabilidade as 500 mil assinaturas que legalizaram partidos como o Pátria Livre, o Renovador Trabalhista Brasileiro, o da Causa Operária, ou o … Leia Mais



Eliana e candidatura ao Senado

O presidente do DEM, José Agripino, teria feito uma proposta ao deputado distrital de Brasília, Alberto Fraga, que comanda o partido no DF, para que a ministra Eliana Calmon venha a ser candidata à senadora pelo Distrito Federal. Segundo relata um jornalista que atua em Brasília, em off, Fraga recusou a proposta e depois teria … Leia Mais


Geddel confirma saída de Arthur Maia do PMDB para o Solidariedade


ARTUR MAIAO vice-presidente de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica Federal, Geddel Vieira Lima, anunciou nesta quarta-feira (25) a saída do deputado federal Arthur Maia do PMDB. Em mensagem postada em seu perfil no Twitter, o peemedebista confirmou que o parlamentar está de mudança para o Solidariedade, cuja criação foi aprovada nesta terça (24) pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). “Recebi agora um simpático telefonema do deputado Arthur Maia dando conta que se moveria para o Solidariedade. Desejei-lhe sorte no novo caminho”, escreveu Geddel. Em abril deste ano, Maia negou rumores de que deixaria o PMDB, mas reconheceu “diferenças políticas” com os irmãos Vieira Lima, que comandam a sigla na Bahia.


Lula diz que ‘está no jogo’ para o que Dilma quiser


LULA - DISCURSOO ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que terá na campanha eleitoral do ano que vem o “papel que a Dilma quiser que seja”. E frisou: “Estou voltando, com muita vontade, com m

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que terá na campanha eleitoral do ano que vem o “papel que a Dilma quiser que seja”. E frisou: “Estou voltando, com muita vontade, com muita disposição – para felicidade de alguns, para desgraça de outros. É o seguinte: eu estou no jogo”, disse em entrevista a veículos mantidos por trabalhadores, nesta terça-feira, 24, no Instituto Lula. Depois de afirmar que tem adotado algum cuidado para conversar com os partidos políticos, já que esses contatos devem ter o crivo de Dilma e do próprio PT, Lula disse que uma coisa que sabe fazer, e espera estar em boas condições de fazer em 2014, é pedir voto. “Eu me considero razoável de palanque, gosto, me sinto bem, agradeço a Deus todos os dias a relação de confiança que construí com o povo brasileiro. E tudo o que eu puder fazer para convencer as pessoas que confiam em mim a votar na Dilma, eu vou fazer”, disse.Lula afirmou que “certamente” a presidente Dilma precisa menos do seu apoio hoje do que precisou em 2010, quando foi eleita. “Ela vai ser julgada pelo que está fazendo, não é mais uma desconhecida como era em 2010, mas farei o mesmo esforço para reelegê-la, pois a vitória da Dilma é a minha vitória e a derrota dela é a minha. O sucesso dela é o sucesso do povo brasileiro, das camadas mais pobres da população.” E destacou que muita gente fica incomodada com a ascensão dos mais pobres. “Quanto mais o pobre ascender de classe social, todos vão ganhar”, frisou.

Essa foi a primeira grande entrevista que Lula concedeu desde que deixou a Presidência da República. “Ainda estou aprendendo a ser ex-presidente”, falou para o grupo de jornalistas da Rede Brasil Atual, site, rádio e revista, da TVT e do jornal ABCD Maior, em 90 minutos de conversa.

Ainda com relação às eleições de 2014, Lula disse que as previsões serão mais precisas em março do ano que vem, quando todos os nomes já estarão definidos. O ex-presidente afirmou que será um grande feito se PT e PSB, partidos, que estão se separando em diversos Estados e no governo federal, conseguirem manter um clima de não hostilidade em 2014.

uita disposição – para felicidade de alguns, para desgraça de outros. É o seguinte: eu estou no jogo”, disse em entrevista a veículos mantidos por trabalhadores, nesta terça-feira, 24, no Instituto Lula. Depois de afirmar que tem adotado algum cuidado para conversar com os partidos políticos, já que esses contatos devem ter o crivo de Dilma e do próprio PT, Lula disse que uma coisa que sabe fazer, e espera estar em boas condições de fazer em 2014, é pedir voto. “Eu me considero razoável de palanque, gosto, me sinto bem, agradeço a Deus todos os dias a relação de confiança que construí com o povo brasileiro. E tudo o que eu puder fazer para convencer as pessoas que confiam em mim a votar na Dilma, eu vou fazer”, disse.Lula afirmou que “certamente” a presidente Dilma precisa menos do seu apoio hoje do que precisou em 2010, quando foi eleita. “Ela vai ser julgada pelo que está fazendo, não é mais uma desconhecida como era em 2010, mas farei o mesmo esforço para reelegê-la, pois a vitória da Dilma é a minha vitória e a derrota dela é a minha. O sucesso dela é o sucesso do povo brasileiro, das camadas mais pobres da população.” E destacou que muita gente fica incomodada com a ascensão dos mais pobres. “Quanto mais o pobre ascender de classe social, todos vão ganhar”, frisou.

Essa foi a primeira grande entrevista que Lula concedeu desde que deixou a Presidência da República. “Ainda estou aprendendo a ser ex-presidente”, falou para o grupo de jornalistas da Rede Brasil Atual, site, rádio e revista, da TVT e do jornal ABCD Maior, em 90 minutos de conversa.

Ainda com relação às eleições de 2014, Lula disse que as previsões serão mais precisas em março do ano que vem, quando todos os nomes já estarão definidos. O ex-presidente afirmou que será um grande feito se PT e PSB, partidos, que estão se separando em diversos Estados e no governo federal, conseguirem manter um clima de não hostilidade em 2014.


Lula critica reforma política conduzida por Vaccarezza


xIMAGEM_NOTICIA_5.jpg.pagespeed.ic.edJvoO8RrtInsatisfeito com a proposta de reforma política em gestação no Grupo de Trabalho da Câmara dos Deputados, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva chamou o coordenador dos trabalhos, deputado federal Cândido Vaccarezza (PT-SP), para uma conversa em São Paulo. Acompanhado do presidente nacional da sigla, deputado Rui Falcão (SP), Vaccarezza almoçou com Lula e ouviu críticas sobre sua atuação durante uma hora.

 

Lula demonstrou a Vaccarezza seu descontentamento com a evolução dos trabalhos no Parlamento. A Executiva nacional do PT divulgou um texto contrário à reforma liderada pelo petista. O deputado Vaccarezza não foi localizado pelo para comentar o encontro.

 

A controvérsia em torno do tema começou logo após as manifestações de junho, quando a presidente Dilma Rousseff enviou ao Congresso Nacional uma proposta de plebiscito para realização da reforma política. A sugestão foi rejeitada pelos parlamentares, mas, para atender ao “clamor das ruas”, o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), anunciou a criação de um grupo suprapartidário para discutir o assunto.


Marina Silva faz esforço final para criar partido a tempo de disputar cargos em 2014


MARINA SILVA 2Os apoiadores do Rede Sustentabilidade vão fazer, nos próximos dias, um esforço concentrado para tentar garantir a criação do partido a tempo de lançar candidaturas para as eleições de 2014.

 

Integrantes da comissão provisória, reunidos neste fim de semana em Brasília, trabalham com o cenário de se validar assinaturas necessárias para o surgimento da legenda esta semana e o julgamento da aceitação do partido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) até o dia 3 de outubro.

 

O prazo final para criação de siglas aptas a lançar candidatos para o pleito do ano que vem é o dia 5 de outubro. A Rede tem contabilizado, até o momento, 440 mil apoios certificados pelo TSE, 52 mil a menos do que o mínimo exigido por lei.

 

Para alcançar a meta, os idealizadores atuam em duas frentes: a Justiça Eleitoral referendar as 80 mil assinaturas e, além disso, validar no julgamento no TSE outros 130 mil apoios que foram rejeitados, na opinião deles, por falta de parâmetro ou sem amparo legal. “Cumprimos dentro do prazo tanto o aspecto legal quanto a questão das quantidades exigidas por lei”, afirmou a ex-ministra Marina Silva, em entrevista coletiva neste domingo (22).  (BN)


Marina Silva faz esforço final para criar partido a tempo de disputar cargos em 2014


MARINA SILVA 2Os apoiadores do Rede Sustentabilidade vão fazer, nos próximos dias, um esforço concentrado para tentar garantir a criação do partido a tempo de lançar candidaturas para as eleições de 2014. Integrantes da comissão provisória, reunidos neste fim de semana em Brasília, trabalham com o cenário de se validar assinaturas necessárias para o surgimento da legenda esta semana e o julgamento da aceitação do partido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) até o dia 3 de outubro. O prazo final para criação de siglas aptas a lançar candidatos para o pleito do ano que vem é o dia 5 de outubro. A Rede tem contabilizado, até o momento, 440 mil apoios certificados pelo TSE, 52 mil a menos do que o mínimo exigido por lei. Para alcançar a meta, os idealizadores atuam em duas frentes: a Justiça Eleitoral referendar as 80 mil assinaturas e, além disso, validar no julgamento no TSE outros 130 mil apoios que foram rejeitados, na opinião deles, por falta de parâmetro ou sem amparo legal. “Cumprimos dentro do prazo tanto o aspecto legal quanto a questão das quantidades exigidas por lei”, afirmou a ex-ministra Marina Silva, em entrevista coletiva neste domingo (22).