“Salvador não merece um governinho”, diz Dilma

Quase duas horas após o horário previsto, a presidente Dilma Rousselff subiu ao palanque montado na Praça na Prosaica, em Cajazeiras 10, para participar do comício do candidato a prefeito de Salvador Nelson Pelegrino (PT), nesta sexta-feira (19). Apesar de acenar e interagir com a plateia, a presidente parecia pouco confortável e no início do … Leia Mais


ACM Neto faz caminhada em Bate Estaca

O candidato a prefeito de Salvador pelo DEM, ACM Neto, realizou nesta quarta-feira (17) uma caminhada em Bate Estaca, no Jardim Cruzeiro, onde defendeu o legado de realizações do avô, Antonio Carlos Magalhães. “O PT espalha boatos mentirosos de que sou contra o Bolsa Família, como se a população não lembrasse que foi ACM quem … Leia Mais


João Leão e a conquista das prefeituras

O deputado federal João Leão conquistou, com candidatos do PP ligados a ele, importantes prefeituras nas cidades interioranas. No Vale do Jiquiriçá, apesar das derratas em Santa Inês, Ubaíra, Brejões e Mutuípe, o PP de Leão obteve uma viória emblemática, que foi a de Jaguaquara, onde foi eleito Giuliano Martinelli contra o candidato Ricardo Leal … Leia Mais



Modeir (PP) agradece ao povo de Mutuípe os votos obtidos

Em entrevista ao programa Cara a Cara com o Povo na Rádio Interativa o empresário e ex. candidato a prefeito de Mutuípe Modeir (PP), derrotado pelo compadre Carlinhos (PT) por 97 votos, agradeceu aos 6241 votos obtidos em 7 de outubro. Modeir agradeceu à adesão das pessoas a sigla e comemorou o resultado obtido devido … Leia Mais


Eduardo Campos já sonda partidos sobre 2014


Oficialmente, o PSB é aliado do PT federal e parceiro potencial de Dilma Rousseff em 2014. Em segredo, o partido discute com lideranças de outras legendas vinculadas ao governo um projeto alternativo para a sucessão presidencial.

Iniciados antes do primeiro turno da eleição municipal, os contatos são conduzidos por Eduardo Campos. Ele governa Pernambuco, preside o PSB e cultiva uma não declarada candidatura ao Planalto.

Entre as legendas já contactadas estão os governistas PDT e PTB. As conversas incluem também o “independente” PV e o indefinido PSD, partido nascido das costelas do oposicionista DEM.

Um partidário de Eduardo Campos utiliza dois vocábulos para definir as conversas: “sondagens” e “prospecções”. O objetivo é testar a receptividade de uma eventual candidatura presidencial de Eduardo Campos.

Verificou-se que é boa a acolhida ao nome de Eduardo Campos. Os interlocutores enxergam nele a perspectiva de poder. O diálogo flui bem, por exemplo, com o presidente do PDT, Carlos Lupi, afastado do Ministério do Trabalho por Dilma no ano passado.

A aceitação é boa no PTB de Roberto Jefferson, recém condenado no julgamento do mensalão. Em privado, também o presidente do PTB de São Paulo, deputado estadual Campos Machado, revela-se um entusiasta de Eduardo Campos.

No PSD, o prefeito paulistano Gilberto Kassab, presidente da legenda, tem uma dívida de gratidão com Eduardo Campos, que o ajudou a estruturar o novo partido. Na hipótese de se tornar candidato, o governador espera dispor do tempo de tevê da agremiação de Kassab, hoje com cinco dezenas de deputados federais.

De resto, Eduardo leva sua “prospecção” às fileiras do PMDB, sócio majoritário da coligação de Dilma, ao lado do PT. Recompôs em Pernambuco a aliança com o PMDB de Jarbas Vasconcelos, com quem estava rompido.

Em conversa com Eduardo, Jarbas lhe disse, na presença de testemunhas: se quiser levar adiante seu projeto, o governador terá de repetir em âmbito nacional o movimento que fez em Recife, rompendo com o PT.

Se fizer isso, acredita Jarbas, Eduardo vai se tornar, com seu apoio, uma alternativa presidencial “diferenciada”, mais viável que o tucano Aécio Neves. Ex-governador catarinense, o senador Luiz Henrique (PMDB-SC), pediu recentemente a Jarbas que intermediasse um encontro com Eduardo Campos. Em 2010, Jarbas e Luiz Henrique apoiaram o candidato tucano José Serra, contra Dilma.

Eduardo é visto como alternativa noutros diretórios do PMDB. Entre eles o da Bahia. Ali, Geddel Vieira Lima acaba de associar-se à candidatura de ACM Neto (DEM) à prefeitura de Salvador. Aparelha-se para enfrentar o PT na disputa pelo governo do Estado, em 2014. Algo que pode afastar o PMDB baiano da canoa de Dilma.

Governador de segundo mandato, Eduardo Campos ficará sem mandato em 2014. Declara em privado que não deseja virar senador. Muito menos deputado. Tampouco contempla a hipótese de tornar-se ministro.

Em público, declara que é cedo para discutir 2014. Longe dos refletores, não fala de outra coisa. Na cúpula do PT, pouca gente acredita que Eduardo Campos estará ao lado de Dilma. Avalia-se que ele disputará o Planalto nem que seja para projetar-se nacionalmente e marcar um lugar na fila de 2018. (Blog do Josias)


ACM Neto e Pelegrino buscam professores no primeiro programa


Os dois candidatos que disputam o segundo turno da eleição de Salvador, ACM Neto (DEM) e Nelson Pelegrino (PT), abriram o primeiro programa eleitoral de televisão com uma homenagem aos professores no dia dedicado ao profissional desta categoria.

Já de início a dicotomia entre os discursos de cada candidatura pode ser visto. A professora da campanha de Pelegrino afirmou que nunca o profissional desta área foi tão valorizado. “Quando você faz um comparativo de seis atrás e atualmente, qualquer professor que pegue seu contra cheque, percebe a evolução. Não tem professor no Estado que receba menos que o piso salarial”, declara uma mulher que, aparentemente, é professora.

No programa de Neto não é diferente. Nele Iêda Nogueira, professora do Estado, traz um depoimento emotivo dos dias de greve. “Eu nunca pensei que em toda minha carreira de magistério, nos 24 anos, nós fossemos tratados como nós fomos. Foi angustiante, foi triste. Eu creio que a classe trabalhadora, o funcionalismo público apostou no Partido dos Trabalhadores e fomos apunhalados pelas costas. Tanto que a nossa música durante a greve dizia isso ‘você pagou com traição a quem sempre lhe deu a mão´- Vou Festejar de Beth Carvalho –”.


Dilma deve participar de campanhas em Manaus, São Paulo e Salvador


A presidenta Dilma Rousseff vai intensificar a agenda nesta reta final do segundo turno das eleições e já confirmou participações em campanhas em Manaus, São Paulo e Salvador. Dilma deve desembarcar na capital amazonense na quinta-feira (18) para participar de evento com Vanessa Grazziotin (PCdoB), única postulante à prefeitura de fora do PT agraciada com o apoio da presidenta. Dilma resistiu em se envolver nas eleições municipais e acabou subindo no palanque apenas duas vezes: uma por Haddad e outra para tentar forçar um segundo turno entre Patrus Ananias (PT) e Marcio Lacerda (PSB), o que acabou não acontecendo. Em Belo Horizonte, Patrus foi derrotado pelo atual prefeito ainda no primeiro turno.

G1


Em 38 cidades da Bahia, eleição foi vencida por menos de 100 votos


A falta de habilidade com a urna eletrônica, a vontade de curtir um pouco mais do sol de Salvador ou até mesmo denúncias de compra de votos foram ingredientes que resultaram em eleições onde a diferença entre a vitória e a derrota se deu na base do aperto. Levantamento feito pelo CORREIO, com base nos dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE),  mostra que em 38 municípios baianos as disputas foram resolvidas com menos de 100 votos.

Em Itagi, a cidade baiana que teve o resultado mais apertado, a eleição para prefeito foi decidida por apenas quatro votos e deixou em pé de guerra o município do Sul do estado, que tem 8.315 eleitores. Um dia após a vitória de Railton de Oliveira Ramos (PT), Padre João (PP), candidato que ficou na terceira colocação, com menos de 500 votos de diferença para o vencedor, foi vítima de tentativa de homicídio.

Segundo registro policial feito na delegacia da cidade, um eleitor declarado do médico Dr. Olival (PDT), que perdeu por quatro votos, invadiu a casa do Padre João com uma faca para matá-lo. No dia seguinte, invadiram a casa
da irmã da atual prefeita, Wanda Argollo, fizeram ameaças e promoveram um quebra-quebra.

Por conta disso, o prefeito eleito, a vice e dirigentes do PT de Itagi saíram da cidade. Por telefone, o presidente municipal do partido, Franklin Eça, contou que a cidade virou um caos. “Dr. Olival já estava discursando quando, no fim, a eleição virou”, disse.

Para alimentar a discórdia, moradores da zona rural desistiram de votar quando uma urna quebrou e teve que ser substituída. A demora fez com os eleitores fossem embora. Segundo contaram comerciantes da cidade, a debandada dos agricultores pode ter influenciado a decisão.

Briga conjugal 

Por trás do aperto das urnas há histórias menos tumultuadas do que Itagi.  Uma moradora de Ubatã, no Sul da Bahia, que pediu anonimato por razões óbvias, conta que estava em Salvador e não quis ir votar na candidata Rosana de Daí (PTB) porque “achava que ela ia ganhar”. Mas ela perdeu, por apenas 16 votos, para Simeia de Expedito (PSB).

Resultado: o marido ameaçou terminar o casamento, após perder R$ 3 mil em uma aposta que tinha feito na vitória de Rosana. “Eu fiquei em Salvador porque fui pra praia. Eu nunca ia imaginar que ia ser uma diferença tão pequena. Meu marido virou o cão comigo”, conta, mesmo após alegar que era dona de apenas um voto.

A comerciante Nara Souza Costa, de Iuiu, Centro Sul da Bahia, relatou que o clima da cidade no dia da eleição era tranquilo. Até que o resultado saiu. “Foi uma surpresa pra todo mundo. O pessoal começou uma gozação que até hoje não acabou. Teve muita gente comentando que errou na hora de digitar o número, porque não sabia mexer nas teclas”.

Na cidade, o boato é que as pessoas não lembravam o número do candidato Vicente Cristo Lopes Filho, o Bia (PSD), pois a legenda é nova, e acabavam votando em Carlos Vagner Lopes Frota, o Dr. Vaguinho (PT), que todos sabiam o número. O petista levou por 19 votos. Mas também tem a teoria da conspiração: de que teriam distribuído santinhos com o número de Dr. Vaguinho, mas com o nome de Bia.

Chapada 
Filho de vereador, Edwilson Oliveira Marques, o Ed (PTB), já está acostumado com apuração de eleições, mas domingo viu pela primeira vez a disputa  em Piatã, na Chapada Diamantina, ser decidida por apenas 16 votos. “Aqui, a compra de votos foi escancarada. Minha campanha não tinha tanto dinheiro. Tive medo de perder quando vi as urnas abrirem e o outro lado começar a comemorar. Mas, na última urna, viramos e aí foi só alegria”, conta o candidato.

Depois da vitória, os moradores iniciaram provocações contra quem votou no adversário derrotado, Jucerlando Hermínio Pereira, o Juce do PP, que é o atual vice-prefeito da cidade.

Eleição decidida por 11 votos após denúncia de compra de votos
Em Itamari, no Sul da Bahia, a diferença de votos entre os dois candidatos foi de 11 votos. A eleição na cidade ganhou repercussão nacional depois que o CORREIO publicou em 16 de setembro reportagem mostrando o prefeito e candidato a reeleição, Waldson Carlos Alves Menezes, o Kçulo (PT), comprando votos de um casal de agricultores da cidade.

Apesar das denúncias, Kçulo chegou a fazer o discurso de vitória no domingo, já que durante toda apuração estava à frente em todas urnas.


Durante a campanha, Itamari ficou dividida entre dois partidos

“Mas, na última urna, nós viramos para uma diferença de 11 votos e ele teve que parar o comício no meio. Imaginamos que o resultado seria mais folgado, mas nos últimos dias de campanha ele começou a comprar votos”, acusa o vencedor da eleição, Valter Andrade da Silva, o Nego (PCdoB).

À medida que a apuração seguia, Nego – que acompanhava a contagem dos votos em uma casa escondida na cidade – achava que não seria eleito. “Kçulo estava discursando no meio da cidade quando recolheu o carro de som e sumiu depois que a última urna abriu. Nessa hora, só fiz chorar de alegria e alívio por ter mudado a política da cidade”, conta Nego, que apesar da vitória não fez maioria na Câmara de Vereadores. A festa de comemoração será sábado, no centro da cidade.

Atualmente, Kçulo é alvo de investigação no Ministério Público Eleitoral de Gandu. O prefeito também está afastado do PT, que abriu processo interno para julgar a conduta dele. A Polícia Federal investiga a veracidade da gravação onde Kçulo aparece oferecendo dinheiro em troca de apoio eleitoral. O prefeito Kçulo foi procurado para comentar as denúncias, mas não atendeu as ligações.

Cidades onde a eleição para prefeito foi decidida com menos de 100 votos de diferença:

UIBAÍ  
Pedro Rocha (PT) 4499
Birinha (PSC) 4453
Diferença 46 votos

MORPARÁ 
Nalva (PR) 2855
Lelei (PT) 2797
Diferença 58 votos

BREJOLÂNDIA 
Mazim (PR) 3451
Edezio (DEM) 3428
Diferença 23 votos

BAIANÓPOLIS 
Cleiton da Lia (PDT) 4189
Dora (PRB) 4106
Diferença 83 votos

BOTUPORÃ
Dr. Tila (PMDB) 3693
Moaci (PP) 3594
Diferença 99 votos

CORIBE 
Manuel Rocha (PR) 4909
Dr. Murillo (PCdoB) 4855
Diferença 54 votos

IUIU 
Dr. Vaguinho (PT) 3203
Bia (PSD) 3819
Diferença 19 votos

LAGOA REAL
Zezinho (PSD) 3870
Pedro Cardoso 3792
Diferença 78 votos

BROTAS DE MACAÚBAS 
Cristina (PP) 3570
Junior (PT) 3476
Diferença 94 votos

PIATà
Ed (PTB) 5683
Juce (PP) 5667
Diferença 16 votos

IBICOARA 
Arnaldo (PSL) 5061
Sandra (PCdoB) 5018
Diferença 43 votos

MAETINGA
Edcarlos (PT) 2568
Dra. Aline (PP) 2501
Diferença 67 votos

PALMAS DO MONTE ALTO 
Fernando Laranjeira (PMDB) 6141
Plínio (PCdoB) 6090
Diferença 51 votos

PIRIPÁ 
Sueli (PP) 3166
Reinaldo de Agnerio 3146
Diferença 20 votos

ENCRUZILHADA 
Dr. Alcides (PT) 5442
Dr. Lei (PSD) 5364
Diferença 78 votos

PLANALTINO 
Carlinhos de Meirelos (PC do B) 2450
Zeca Braga (PSD) 2373
Diferença 78 votos

MORRO DO CHAPÉU 
Cleová (PSD) 8226
Leonardo Dourado (PP) 8206
Diferença 20 votos

IRAMAIA
Dodinha (PDT) 3583
Tunga (PSD) 3506
Diferença 77 votos

UMBURANAS 
Mirian (PDT) 4144
Roberto de Bruno (PRP) 4111
Diferença 33 votos

ITAMARI 
Nego (PC do B) 2649
Kçulo (PT) 2638
Diferença 11 votos

MANOEL VITORINO 
Lenilton (PDT) 4297
Helano Vilar (PTB) 4275
Diferença 22 votos

NOVA CANAà
Raquel (PSB) 4449
Eliana (PT) 4354
Diferença 95 votos

MAIQUINIQUE 
Minininha (PMN) 2784
Jesuíno Porto (PSD) 2668
Diferença 96 votos

UAUÁ  
Olimpinho (PDT) 7806
Lindomar Dantas (PT) 7711
Diferença 95 votos

MUTUÍPE 
Carlinhos do PT (PT) 6338
Modeir (PP) 6241
Diferença 97 votos

CANDEAL 
Fernando Nere (PMDB) 2911
Everton (PR) 2880
Diferença 31 votos

IPIRÁ 
Ana Verena (PR) 14891
Marcelo Brandão (DEM) 14842
Diferença 49 votos

SÃO FELIPE 
Chiquinho Ferreira (PP) 6874
Rozalio (PR) 6849
Diferença 25 votos

SÃO FÉLIX 
Duda Macêdo (PSB) 4114
Alex (PRP) 4087
Diferença 27 votos

CONCEIÇÃO DO ALMEIDA 
Dr. Armando (PT) 5666
Ito de Bega (PDT) 5652
Diferença 14 votos

APUAREMA
Lene (PR) 2191
Rair (PP) 2097
Diferença 94 votos

IBIRAPITANGA 
Dr. Ravan (PSD) 5121
Gude (PSL) 5057
Diferença 64 votos

UBATà
Simeia de Expedito (PSB) 4011
Rosana de Daí (PTB) 3995
Diferença 16 votos

BARRA DO ROCHA 
Vera (PSC) 1810
Professor Léo (PSB) 1768
Diferença 42 votos

ITAGI 

Railton (PT) 2942
Dr. Olival (PDT) 2938
Diferença 4 votos

POTIRAGUÁ 
Luís Soares (PT) 3141
Jorge Charles (PMDB) 3118
Diferença 24 votos

GUARATINGA 
Kenoel Viana (PV) 6055
Ademar Pinto (PMDB) 6010
Diferença 45 votos

(Correio)


Lídice da Mata comemora crescimento do PSB na Bahia


O crescimento do Partido Socialista Brasileiro no estado nessas eleições foi comemorado pela senadora Lídice da Mata (PSB-BA). O partido conseguiu eleger 30 prefeitos, dos quais  seis reeleitos. A informação é da coluna de Clécio Max, publicada no Correio da Bahia deste domingo (14).

No pleito anterior, em 2008, foram 18 chefes de executivo municipal eleitos. O crescimento é de 66,6%. Dentre os novos prefeitos do PSB, estão Lero Cunha (Firmino Alves), Didi (Itanagra), Dr. Paulo (Itarantim), Duda Macedo (São Félix) e Jarbas (Itacaré). Na Câmara de Salvador, o partido garantiu dus cadeiras, com Fabíola Mansur e Sílvio Humberto.

Correio