‘Vocês estão ultrapassando o limite de espaço’, diz Feliciano a jornalistas

O deputado Marco Feliciano (PSC), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, criticou a imprensa na manhã desta quarta-feira. Alvo de processo por discriminação e pressionado a renunciar à presidência, Feliciano afirmou que os jornalistas “estão ultrapassando o limite de espaço” , “não tem outro assunto para falar” e que “falam besteiras”. O deputado … Leia Mais


Alckmin defende Aécio Neves na presidência do PSDB

O governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) defendeu, na noite desta segunda-feira (25), que o senador Aécio Neves ocupe a presidência do partido a partir de maio. “O que sinto no PSDB, no encontro partidário hoje é que você [Aécio] assuma a presidência do PSDB. Percorra o Brasil. Ouça o povo brasileiro. Fale ao … Leia Mais


Com evento em SP, Aécio tenta unir PSDB em torno de sua candidatura

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) tentará unir seu partido, nesta segunda-feira (25), em torno de sua candidatura a presidente em 2014. Durante evento da legenda em São Paulo para apresentá-lo como o postulante do partido, o mineiro medirá sua popularidade no estado e tentará vencer a resistência de aliados do ex-governador paulista José Serra. Pela … Leia Mais



Petistas criticam ministro das Comunicações, também do PT, por concessões a teles


MINISTRO COMUNICAÇÕESMilitantes do Partido dos Trabalhadores e ativistas da área de comunicação social abriram uma ofensiva contra o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, que também é petista, com direito a notas públicas e ironias em redes sociais, noticia a Folha. De acordo com o jornal, a principal crítica diz respeito a isenções fiscais concedidas a empresas de telecomunicações, previsto no Plano Nacional de Banda Larga (PNBL). O documento foi criticado, inclusive, em resolução do PT aprovada no início deste mês em reunião da direção da legenda em Fortaleza. O clima de animosidade entre Paulo Bernardo e a militância petista foi acirrado após entrevista do ministro ao Estadão, publicada nesta quarta-feira (20), na qual o titular das Comunicações classifica como “incompreensível” a crítica do partido à tentativa do governo federal de baixar impostos.


Apoio de Serra virá em ‘momento oportuno’ , diz Aécio Neves


AÉCIO NEVESProvável candidato à Presidência da República pelo PSDB, o senador Aécio Neves afirmou que o apoio do correligionário José Serra virá “no momento oportuno”. Nos últimos dois dias, o mineiro precisou atuar contra rumores de que, além de Serra, a resistência contra o seu nome também vinha do gabinete do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. De acordo com a Folha, Aécio esteve reunido na última segunda-feira (18) com Serra por três horas e encontrou Alckmin na terça. Segundo a publicação, o governador de São Paulo indicou que apoiará o senador politicamente. A menos de um mês e meio de sua convenção geral – evento agendado para selar a liderança de Aécio no comando do partido – o PSDB ainda não superou a divisão interna.


Aprovação do governo Dilma bate recorde, segundo CNI/Ibope


DILMA E O POVOA aprovação da presidente Dilma Rousseff bateu recorde, segundo pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta terça-feira (19) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Para 63% dos entrevistados, o governo é ótimo ou bom, 29% o consideram regular, enquanto 7% acreditam que é ruim ou péssimo. A aprovação do modo de governar da presidente subiu de 78% para 79% e a fatia que desaprova a gestão está em 17%. De acordo com o estudo, houve um crescimento do otimismo em relação aos próximos meses da administração, com a taxa de ótimo ou bom passando de 62% para 65%. Os que projetam o restante do governo como regular está em 24% e, como ruim ou péssimo, em 8%. Quanto à desaprovação, apenas três quesitos têm índice superior a 60%. A cobrança de impostos aparece com exatos 60% ante os 65% registrados no levantamento anterior, a segurança pública passou de 68% para 66% e, como maior problema da presidente, a saúde aparece com taxa de desaprovação em 67%, com 7% de queda em relação à última pesquisa. O Ibope ouviu 2 mil pessoas com mais de 16 anos em 143 municípios entre os últimos dias 8 e 11 de março. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos porcentuais para mais ou para menos.


Marina Silva também critica reforma ministerial


MARINA SILVA 2Além do senador Cristovam Buarque (PDT), a reforma ministerial do governo da presidente Dilma Rousseff também motivou críticas da ex-senadora Marina Silva. “Não adianta mudar ministros se a lógica continua a mesma. Para manter a base do governo, os partidos ocupam espaços públicos como se privados fossem”, afirmou a ex-candidata à presidência, em entrevista à Folha. Marina esteve no Rio de Janeiro em busca de assinaturas para viabilizar seu novo partido, a Rede Sustentabilidade. Até agora, ela já conseguiu 10% das rubricas necessárias.Ela disse que o que o governo chama de “coalizão” não passa de “poder pelo poder”. Marina avalia que um dos problemas do governo é que ele continua “na agenda do século 19, que se mostra fracassada do ponto de vista econômico e ambiental”.

PSD não vai integrar governo federal, diz Kassab


KASSAB EM FRENTE AO PALACIOO DO PLANALTOO presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, disse nesta quarta-feira (13) à presidente Dilma Rousseff que seu partido não vai integrar oficialmente o governo antes da eleição de 2014. Para Kassab, o partido foi criado para reunir dissidentes de várias legendas, em sua maioria oriundos da oposição.”Eu disse a ela, e a presidente compreendeu, que esta era uma decisão definitiva, oficial, e que reflete o desejo majoritário no partido”, afirmou o ex-prefeito de São Paulo à Folha após um jantar no Palácio da Alvorada. Apesar da negativa, o vice-governador de São Paulo, Afif Domingos, a assumir a recém-criada pasta da Micro e Pequena Empresa. Segundo o jornal, Dilma pode convidá-lo em caráter “pessoal”, por afinidade com o político e por sua experiência no tema. Kassab admite que não poderá “impedir” caso a presidente resolva convidar um filiado do partido nessas condições, mas que isso não mudará a decisão de conservar a independência no Congresso.