Entenda a estratégia do PT ao pedir liberdade de Lula

Os autores do pedido de libertação do ex-presidente Lula já previam uma derrota, mas articularam uma ação minuciosa para desgastar a Justiça e tentar converter em ganho político qualquer decisão contra o petista. Os deputados Paulo Pimenta (PT-RS), Wadih Damous (PT-RJ) e Paulo Teixeira (PT-SP) elaboraram estratégia para que o pedido de habeas corpus fosse … Leia Mais


PSC recusa vice de José Ronaldo para viabilizar Lázaro ao Senado

O PSC, que passou a ser comandado na Bahia pelo deputado estadual Heber Santana, já não foca apenas na chapa majoritária encabeçada pelo ex-prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo (DEM), para abrigar a pré-candidatura de Irmão Lázaro ao Senado. A sigla não aceitou o convite para assumir a vice na chapa do democrata e … Leia Mais




Meirelles cita Lula e diz que foi responsável por boa fase do PT

A nova estratégia da campanha de Henrique Meirelles (MDB) ao Planalto foi testada nesta quarta-feira (4) diante de uma plateia que lhe é familiar: os empresários. Orientado por sua equipe de comunicação, Meirelles fez um discurso em que citou o governo do ex-presidente Lula (PT) como sua experiência de sucesso e disse que vai mostrar … Leia Mais


MP investiga relação de Aécio com negócios de grupo de comunicação


O Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG) instaurou um inquérito para investigar se recursos públicos do estado foram usados em negócios do Grupo Bel, de comunicação, de acordo com o jornal Folha de S. Paulo. Por ter como alvo o senador Aécio Neves (PSDB-MG), a apuração partiu da Procuradoria-Geral da República e foi autorizada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em outubro passado.

O ministro do STF Marco Aurélio determinou que a investigação fosse desmembrada e enviada a Minas Gerais, pois também envolve a irmã de Aécio, Andrea Neves, e Flávio Carneiro, do Grupo Bel, que não têm foro privilegiado. A suspeita de desvio de recursos públicos e pagamento de propina está sendo apurada pela Polícia Federal de Minas Gerais.

Ao mesmo tempo, o promotor Eduardo Nepomuceno, da 17ª Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público, instaurou no último dia 22 um inquérito civil para investigar se houve dano ao erário, enriquecimento ilícito e improbidade administrativa.

BN


PT pressiona para Lula desistir e dar lugar a Haddad com candidato


(foto: Nelson Almeida/AFP – 24/1/18)

A insistência do PT com a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula de Silva, que está preso e impedido de concorrer pela Lei da Ficha Limpa, parece ter chegado ao fim. Movimentos internos no partido indicam que o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad poderá se viabilizar-se como pré-candidato da legenda à Presidência da República em breve. Haddad foi convocado para detalhar o plano de governo do PT que será apresentado durante a campanha e mantido caso Lula seja impedido pela Justiça de participar do pleito.

As diretrizes do plano de governo são mantidas em sigilo pela cúpula do partido, mas assessores informaram à reportagem que as grandes preocupações do PT são segurança e economia. A oficialização da candidatura de Haddad, vista como certa, só será feita depois de o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) declarar Lula inelegível. Contudo, o ex-prefeito já aparece até em pesquisas de intenção de voto, como a divulgada semana passada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) em parceria com o Ibope. No levantamento, Lula aparece com 33% e, em um cenário sem ele, Haddad tem 2% das intenções de voto.

Lula está cada vez mais próximo de seu ex-ministro da Educação e já detalhou a ele suas ideias. Para facilitar a conversa, o ex-presidente decidiu que Haddad passará a integrar a equipe de advogados que vai representá-lo junto ao TSE. O ex-prefeito é formado em Direito pela Universidade de São Paulo (USP), mas o objetivo está longe de ser aproveitar o seu conhecimento jurídico. A principal vantagem é que, graças ao fato de ser advogado de Lula, Haddad passa a ter o direito de visitá-lo todos os dias na sede da Polícia Federal em Curitiba, e pode receber orientação constante do mentor.

Levantamentos apontam que o nome de Haddad seria o mais palatável neste momento de radicalização. O ex-prefeito é visto como conciliador, com trânsito até mesmo na ala do PSDB liderada pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Há quem fale, inclusive, que PT e PSDB estão fechados, atuando nos bastidores por um acordo político entre ambas as legendas.

Para fortalecer Haddad e sinalizar que ele será o candidato do PT, Lula também escolheu o pupilo para ser o interlocutor do partido junto às Forças Armadas. Foi Haddad quem conversou com o general Eduardo Villas Bôas dentro da proposta dos militares de ouvirem os pré-candidatos. A princípio, esse papel caberia a Jaques Wagner, ex-ministro da Defesa, que circula com desenvoltura na caserna.

Planos C e D Há pressa dentro do PT para que o candidato do partido ao Palácio do Planalto seja definido logo, uma vez que os pré-candidatos estão mostrando a cara todos os dias enquanto o partido perde tempo batendo o pé por Lula. Mas os petistas reconhecem que não podem abandonar o ex-presidente, uma vez que, até o posicionamento oficial do TSE, ele será o candidato oficial à Presidência da República.

A ideia é fazer com que Lula continue em alta, com força suficiente para transferir seus votos a Haddad. Em todas as pesquisas de intenção de votos, Lula aparece na liderança quando citado. O partido também acredita que Haddad atrairá a atenção dos eleitores que dizem que anularão os votos ou votarão em branco.

Oficialmente, a legenda não confirma a candidatura de Haddad. Caciques petistas afirmam que a ideia de colocar os dois em contato surgiu apenas porque o ex-prefeito coordena o plano de governo petista. Em 15 de agosto Lula será registrado, segundo a assessoria de imprensa do ex-presidente. A equipe de Haddad, por sua vez, disse que a possibilidade de substituição sempre existe. “Todo padre quer ser papa. Existe a possibilidade? Sim. Mas nosso candidato é o presidente Lula”, afirmou um petista próximo a Haddad que prefere não ser identificado.

Outro líder do partido que participou dos governos de Lula e Dilma detalha que Haddad tem ganhado cada vez mais força dentro do partido. Entretanto, ele relembra que os nomes da senadora Gleisi Hoffmann (PR) e Wagner ainda estão no páreo para substituir Lula nas urnas. Gleisi segue assombrada pela Lava-Jato, embora tenha ganhado fôlego após ser inocentada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Caso não seja escolhida para disputar as eleições presidenciais, ela deve tentar uma vaga na Câmara dos Deputados.

Wagner, por outro lado, não quer ser candidato à Presidência de República. Pesquisas do partido na Bahia dão como certa a eleição do ex-governador ao Senado Federal. Entretanto, ele aguarda as bênçãos de Lula para disputar uma vaga das vagas na Casa. “No fim das contas, quem vai decidir é o partido. E o partido é Lula”, afirma um petista graduado.

O professor de Ciência Política da Universidade Federal Fluminense (UFF-RJ) Augusto Mendonça afirmou que a movimentação do PT é, além de esperada, muito necessária. “Eles precisam parar de perder tempo com essa luta para colocar o nome do Lula em uma coisa que não tem razão de ser. Se você sabe que algo é proibido, e não terá permissão para continuar, é melhor deixar de lado.”

Mendonça lembra da necessidade de alianças e explica que um candidato preso dificultaria muito as eleições, ainda que ele esteja na frente. “Você precisa de tempo e espaço para conseguir fechar os acordos necessários para uma disputa presidencial. Enquanto isso, os outros pré-candidatos estão aí tentando costurar apoio entre si e atacando seus adversários, o que inclui o Lula. Na minha opinião, ele tem que passar logo essa bola”.    EM


JH nega rejeição e se compara a Lula e Bolsonaro


Fora dos festejos do Dois de julho há seis anos, desde que deixou o segundo mandato na prefeitura de Salvador, João Henrique Barradas Carneiro (PRTB) se disse satisfeito com o carinho dos eleitores durante o cortejo.

Ao bahia.ba, o ex-prefeito afirmou que não percebeu qualquer rejeição do público contra ele, mas justificou que uma possível recusa da população seria proporcional à notoriedade do político: “você veja que a maior rejeição hoje do país é a do Lula, mas quando você faz pesquisa para presidente quem está em primeiro lugar também é o Lula. A segunda maior rejeição é a do Bolsonaro. Quem está no segundo lugar? O Bolsonaro”, concluiu .

Pré-candidato ao Palácio de Ondina, JH disse nesta segunda-feira (2) que deseja ganhar as eleições no primeiro turno, desbancando Rui Costa (PT) e José Ronaldo (DEM): “Já tive acesso a duas [pesquisas] em que eu estava em segundo [lugar] e não foram divulgadas. Claro, controle, não é?”.

Bahia.ba


PSB vai indicar Bebeto à suplência de Jaques Wagner no Senado, confirma Fabíola


Com a senadora Lídice da Mata (PSB) excluída da chapa majoritária do governador Rui Costa (PT), o PSB vai aceitar a suplência ao Senado. O deputado federal Bebeto Galvão é quem vai entrar na disputa como primeiro suplente do ex-governador Jaques Wagner (PT). “Bebeto faz uma plenária amanhã, a prerrogativa de indicação já foi feita, vocês sabem na imprensa, que é do PSB. Vamos fazer a indicação e Bebeto também vai conversar com o povo dele pra saber”, adianta a deputada estadual Fabíola Mansur (PSB).

A parlamentar se refere a oferta que foi feita ao partido, uma vez que Lídice acabou sendo preterida em detrimento do presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), Ângelo Coronel (PSD). A expectativa agora é que a senadora lance sua candidatura a deputada federal.

por Bruno Luiz / Ailma Teixeira/BN


Encontro estadual do PSC vai definir postura do partido na sucessão estadual


Indicado para suceder o ex-deputado Eliel Santana na presidência do diretório do PSC-Bahia, o deputado estadual Heber Santana será oficialmente empossado no cargo no dia 7 de julho, durante encontro estadual da sigla, no centro de convenções do Hotel Fiesta, em Salvador. O evento será iniciado às 14 horas, com as presenças já confirmadas do presidente nacional do partido, pastor Everaldo Dias Pereira, do pré-candidato do PSC à presidência da República, economista Paulo Rabello de Castro e do pré-candidato do PSC baiano ao Senado, Irmão Lázaro.

Ao lado das lideranças nacionais, Eliel e Heber Santana concederão entrevista coletiva à imprensa, momentos antes do início do encontro. A expectativa é que a chapa majoritária da oposição ao governo da Bahia esteja definida e que o PSC possa anunciar como marchará na sucessão estadual e na luta por uma vaga no Senado. O encontro vai reunir parlamentares estaduais e municipais do partido, representantes dos diretórios municipais e pré-candidatos a deputados estaduais e federais.