Identidades das vítimas fatais no acidente entre ônibus e carreta na BR-116, são divulgadas

Condutor da carreta era natural de São Paulo, cinco pessoas morreram.


Foto: Montagem A Voz do Campo

As identidades das vítimas fatais no acidente entre um ônibus escolar e uma carreta no KM382 da BR-116/Norte, entre Santa Barbara e Serrinha, foram divulgadas: João Antônio Lopes, era o motorista da carreta  de placa JHR-5522, licença de Conchal (SP), ele era natural de São Paulo, os estudantes: Fernando Andrade de Almeida, Jeferson Conceição dos Santos, Rafael José da Silva Souza e Rodrigo Carvalho Brandão da Silva.

32 pessoas foram atendidas em hospitais de Santa Bárbara e Feira de Santana.  Ao menos cinco pessoas estão internadas em estado grave, no Hospital da Criança e Clériston Andrade.

Segundo a PRF, informações preliminares apontam que o condutor da carreta tentou uma ultrapassagem que não deu tempo ser concluída, ocasionando a colisão.

No ônibus estava estudantes entre 14 e 25 anos que seguiram de Euclides da Cunha para Antônio Cardoso, onde participariam de um concurso de bandas de fanfarras.


Sobe para 5 o número de mortos no acidente entre ônibus e carreta na BR-116

Carreta bateu com ônibus entre Santa Bárbara e Serrinha, banda de fanfarra de Euclides da Cunha seguia para Antônio Cardoso.


Subiu para cinco o número de mortos no acidente entre um ônibus amarelinho da cidade de Euclides da Cunha e uma carreta, na BR-116/Norte, na altura do KM 382, na manhã deste domingo 25, por volta de 10h50min.

O acidente ocorreu no trecho que liga o município de Santa Bárbara a Serrinha, no ônibus estavam integrantes de uma banda de fanfarra que se dirigiam a um concurso realizado na cidade de Antônio Cardoso.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal, em análise preliminar, o condutor da carreta que morreu na hora, tentou realizar uma ultrapassagem e bateu de frente com o ônibus.

Inicialmente foram registrados três óbitos, e 32 feridos, que foram encaminhados para os hospitais de Santa Bárbara e Feira de Santana. Duas vítimas morreram no hospital.

Por conta do acidente a rodovia ficou interditada por cerca de cinco horas. As identidades e estado de saúde das vítimas ainda não foram revelados.

 


PF indicia Temer e filha por ‘decreto dos portos’


A Polícia Federal, indiciou nesta terça-feira (16), o presidente da república, Michel Temer e sua filha Maristela Temer, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no chamado “decreto dos portos”. Na conclusão do inquérito a PF pediu também a indisponibilidade de bens do mandatário do país e sua filha.

A PF pediu também a prisão preventiva do coronel João Baptista Lima Filho, e outras três pessoas, as investigações foram conduzidas pela delegada Cleyber Malta Lopes.

O caso veio a público após a delação da JBS, a suspeita é que o presidente tenha atuado para beneficiar empresas do setor de portos em troca de propina.

No total nove pessoas foram indiciadas: Michel Temer – presidente da República, Rodrigo Santos da Rocha Loures, Antônio Celso Grecco – executivo da Rodrimar, Ricardo Conrado Mesquita – executivo da Rodrimar, Gonçalo Borges Torrealba, João Baptista Lima Filho, Maria Rita Fratezi, Carlos Alberto Costa Filho, Almir Martins Ferreira, Maristela de Toledo Temer Lulia.

A decisão de denunciar o presidente ou não, caberá a procuradora geral da república Raquel Dodge, o relator do caso no STF, ministro Roberto Barroso, já encaminhou o caso a ela, e pediu manifestação.

 


O Antagonista revela o 1º anexo da delação de Palocci

Ex-presidentes Lula e Dilma deverão ser atingidos.


O Site O Antagonista acaba de publicar o primeiro anexo da delação de Antonio Palocci, considerado um arquivo vivo do Partido dos Trabalhadores, que foi realizada pela Polícia Federal e homologada pelo desembargador do TRF-4, Pedro Gebran Neto.

No conteúdo publicado, o delator relatar o loteamento de cargos na Petrobras, segundo informações o material reúne mais de 800 páginas e pode ameaçar os planos do PT as vésperas do 1º turno das eleições 2018.

Recentemente o mesmo jornal publicou matéria informando que Palocci teria entregado farto material que serviria de prova para as afirmações delatadas.

Parte do sigilo da delação foi suspenso nesta segunda-feira (1), pelo juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba, Sérgio Moro.


Emprego formal cresce em agosto e gera 110.431 novas vagas no Brasil

Sete dos oito setores de atividade econômica tiveram desempenho positivo


O emprego apresentou novamente crescimento no Brasil. O mês de agosto fechou com +110.431 novas vagas no mercado formal, um acréscimo de +0,29% em relação ao mês anterior. Esse desempenho foi resultado de 1.353.422 admissões e de 1.242.991 desligamentos. Com isso, o estoque de empregos no país também aumentou e chegou a 38.436.882 vínculos.

A informação está no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado pelo Ministério do Trabalho nesta sexta-feira (21), que mostra também a movimentação do emprego formal este ano. O saldo de janeiro a agosto teve um acréscimo de +568.551 vagas, um crescimento de +1,50%. Nos últimos 12 meses, o aumento foi de +356.852 postos, uma variação de +0,94%.

Desempenho setorial

Houve crescimento em sete dos oito setores econômicos, sendo que o principal destaque foi na área dos Serviços, responsável por +66.256 novos postos, mais da metade das vagas abertas em agosto no país. O resultado foi registrado graças aos desempenhos dos subsetores de Ensino; Comércio e Administração de Imóveis, Valores Mobiliários e Serviço Técnico; Serviços de Alojamento, Alimentação, Reparação, Manutenção e Redação; e Serviços Médicos, Odontológicos e Veterinários.

 

O segundo melhor desempenho do mês foi o do Comércio, que fechou agosto com saldo de +17.859 vagas, abertas principalmente no subsetor do Comércio Varejista. O terceiro melhor saldo de agosto foi na Indústria de Transformação, que teve criação de +15.764 postos, puxados pela Indústria de Produtos Alimentícios, Bebidas e Álcool Etílico; Indústria Química de Produtos Farmacêuticos, Veterinários, Perfumaria; e Indústria Mecânica.

 

Também tiveram saldos positivos a Construção Civil (+11.800), Serviços Industriais de Utilidade Pública (SIUP) (+1.240), Extrativa Mineral (+467) e Administração Pública (+394). Apenas a Agropecuária registrou desempenho negativo com o fechamento de -3.349 vagas.

 

Desempenho regional

Todas as cinco regiões do país registraram crescimento no emprego formal em agosto. Proporcionalmente, os melhores desempenhos foram registrados no Nordeste, onde foram abertas +36.460 vagas, um acréscimo de +0,59% em relação ao estoque de julho, e no Norte, que abriu +9.308 postos, percentual +0,54% superior ao estoque do mês anterior. No Centro-Oeste foram gerados +13.117 empregos formais, um crescimento de +0,41%, e no Sudeste, +41.303 vagas, um aumento de +0,21%. No Sul o saldo do mês ficou +10.243 postos, um aumento de +0,14% em relação ao estoque de  julho.

 

Houve abertura de vagas em 22 das 27 unidades federativas. Em apenas cinco ocorreram fechamento de postos. Os três maiores crescimentos relativos foram no Nordeste do país. A Paraíba ficou em primeiro, chegando ao final de agosto com +7.244 empregos a mais, um crescimento de +1,85% em relação ao estoque de julho. Em segundo lugar ficou o Rio Grande do Norte, onde foram criados +4.486 postos, representando um acréscimo de +1,07%, e, em terceiro, Alagoas, com +3.890 novas vagas e aumento de +1,19%.

 

Os piores desempenhos foram registrados nos estados do Acre, que fechou -172 vagas e teve variação de -0,22% em relação ao estoque de julho; Sergipe, com -593 postos a menos e redução de -0,21%; e Rio Grande do Sul, que encerrou -4.028 empregos formais, uma variação de -0,16%.

 

Salário

O salário médio de admissão em agosto foi de R$ 1.541,53 e o salário médio de desligamento foi de R$ 1.700,80. Em termos reais (já considerada a deflação medida pelo INPC), houve ganho de R$ 5,26 (+0,34%) no salário de admissão e de R$ 9,90 (+0,59%) no salário de desligamento em comparação ao mês anterior.

 

Modernização Trabalhista

A distribuição do emprego entre as modalidades criadas a partir da Modernização Trabalhista (Lei nº 13.467/2017) ficou assim:

  • Desligamento mediante acordo entre empregador e empregado

Em agosto de 2018, houve 15.010 desligamentos mediante acordo entre empregador e empregado, envolvendo 11.293 estabelecimentos, em um universo de 10.383 empresas. Um total de 45 empregados realizou mais de um desligamento nesta modalidade. São Paulo foi o estado que registrou a maior quantidade de desligamentos (4.339), seguido por Paraná (1.575), Rio Grande do Sul (1.436), Santa Catarina (1.315), Minas Gerais (1.210) e Rio de Janeiro (1.202).

 

O setor que mais realizou desligamentos por acordo no último mês foi o de Serviços (7.336 desligamentos), seguido do Comércio (3.699), Indústria de transformação (2.454), Construção Civil (810), Agropecuária (520), SIUP (95), Extrativa Mineral (59) e Administração Pública (37).

 

As dez principais ocupações envolvidas foram as de vendedor de comércio varejista (812 desligamentos); auxiliar de escritório em geral (542); assistente administrativo (494); vigilante (476); faxineiro (474); motorista de caminhão de rotas regionais e internacionais (457); operador de caixa (424); alimentador de linha de produção (394); porteiro de edifícios (255) e recepcionista em geral (246).

 

Trabalho Intermitente

Na modalidade de trabalho intermitente, foram registradas 5.987 admissões e 1.991 desligamentos, gerando saldo de +3.996 empregos, envolvendo 2.270 estabelecimentos, em um universo de 1.741 empresas. Um total de 93 empregados teve mais de um contrato na condição de trabalhador intermitente. Os estados com maior número de contratos nesta modalidade em agosto foram São Paulo (1.005 postos), Rio de Janeiro (848), Minas Gerais (463), Rio Grande do Sul (253), Paraná (209) e Rio Grande do Norte (154).

 

O saldo de emprego dos contratos intermitentes distribuiu-se por Serviços (2.423 postos), Comércio (655), Construção Civil (476), Indústria de transformação (425), SIUP (20 postos), Extrativa Mineral (2 postos), Administração Pública (-2) e Agropecuária (-3).

 

As dez principais ocupações envolvidas foram assistente de vendas (228 postos); cuidador em saúde (185); servente de obras (181); mantenedor de sistemas eletroeletrônicos de segurança (176); vendedor de comercio varejista (136); faxineiro (121); alimentador de linha de produção (106); pedreiro (102); trabalhador da manutenção de edificações (98) e garçom (92).

 

Trabalho em Regime de Tempo Parcial

Foram registradas 7.374 admissões em regime de tempo parcial e 4.209 desligamentos em agosto, gerando um saldo de 3.165 empregos. O número de estabelecimentos envolvidos foi de 6.306 em um universo de 5.503 empresas. Um total de 55 empregados celebrou mais de um contrato em regime de tempo parcial, sendo um empregado com jornada maior que 26 horas. Os estados com maior número de contratos neste regime foram São Paulo (515 postos), Paraná (424), Ceará (405), Santa Catarina (401), Minas Gerais (273) e Rio de Janeiro (167).

 

Do ponto de vista setorial, o saldo de emprego em regime de tempo parcial distribuiu-se por Serviços (2.147 postos), Comércio (643), Indústria de transformação (241), Agropecuária (71), Construção Civil (40), Administração Pública (16), SIUP (4) e Extrativa Mineral (3).

 

As dez principais ocupações segundo saldo de emprego em regime de tempo parcial foram faxineiro (206); professor de ensino superior na área de didática (197); operador de caixa (178); professor de ensino superior na área de prática de ensino (149); auxiliar de escritório em geral (139); repositor de mercadorias (130); professor da educação de jovens e adultos do ensino fundamental – 1ª a 4ª série (125); vendedor de comércio varejista (96); cozinheiro geral (87) e cuidador de idosos (84).