Veículo pega fogo na saída de Mutuípe sentido Serra Grande

Um veículo Ford Fiesta pegou fogo na manhã desta quarta-feira (21), por volta de 7h45min na estrada que liga Mutuípe ao distrito de Serra Grande – Valença, nas proximidades do Parque Off Road Uma pane elétrica pode ter provocado as chamas. Segundo informações de populares, a condutora conseguiu sair sem ferimentos. O trânsito na via … Leia Mais



Polícia Civil cumpre mandado de prisão expedido pela Justiça em Mutuípe

A Polícia Civil cumpriu nesta segunda-feira (19), por volta de 16h, mandando de prisão em desfavor de Luzia Auxiliadora Lima Araujo, proveniente da região do Campo Seco, zona rural de Mutuípe, expedido pelo juiz da comarca. Luzia já havia sido presa no início do mês, mas foi colocada em liberdade pelo juiz plantonista, decisão que … Leia Mais




Em quatro anos frota de veículos de Mutuípe aumenta em quase 2 mil

Frota de veículo cresce enquanto centro comercial se mantém estável.


Em 2014 eram 6589 (seis mil quinhentos e oitenta e nove) veículos licenciados em Mutuípe), em 2019 esse número saltou para 8.373 (oito mil trezentos e setenta e três), os dados são do DENATRAN – Departamento Nacional de Trânsito, referente a junho de 2019, e representa um aumento de 1784 veículos ao longo de quatro anos.

A frota mutuipense entre as cidades do recôncavo baiano continua na quinta posição, perdendo apenas para Santo Antônio de Jesus: 52.817, Cruz das Almas: 30.450, Amargosa: 11.572, Santo Amaro: 10.844 veículos.

A grande quantidade de carros e motos reveladas pelo DENATRAN é refletida nas ruas da cidade, os espaços para estacionamento torna-se cada vez mais rival, situação agradava por privatização irregular das vias públicas praticadas por donos de estabelecimentos comerciais.

O trânsito de Mutuípe tornou-se complicado e carente de intervenções públicas, fazendo-se necessária a revisão de mão-dupla e única em diversas ruas.

A grande quantidade de veículos em Mutuípe se deve ao grande poder aquisitivo das pessoas.


Sucata apodrece há vários anos no fundo do Hospital de Mutuípe


Um ônibus que muito serviu à saúde de Mutuípe apodrece há vários anos no fundo do Hospital Clélia Chaves Rebouças – HCCR. A sucata é o ambiente propício para proliferação de roedores e aracnídeos, e pelo risco que oferece a saúde pública não deveria estar na área da unidade de saúde.

Os motivos pelos quais o HCCR ainda não se desfez da sucata é desconhecido, mas moradores entraram em contato com nossa redação nesta segunda-feira (19), para relatar o problema.

Segundo apurou o Mídia Bahia, o veículo era utilizado no passado para realização de procedimentos odontológicos.

A redação tentou contato com a APMIM – Associação de Proteção a Maternidade e a Infância de Mutuípe para saber o porquê da sucata nunca ter sido vendida e permanecer na área do hospital, mas nossas ligações não foram atendidas.


Academia Gnó-Ney celebra 30 anos de Judô em Mutuípe

Evento aconteceu no Ginásio de Esportes Antônio Rodrigues.


A academia Gnó-Ney celebrou neste domingo (18), 30 anos de judô em Mutuípe, para comemorar a data, os irmão Gnó e Juriti promoveram uma copa no Ginásio de Esportes Antônio Rodrigues, evento que contou com a participação de diversos amantes da modalidade, autoridades e visitantes.

Foto: reprodução Facebook Mara Lobo

A XVII Copa do Vale do Jiquiriçá, foi comentada nas redes sociais pelo professor Gnó. “Obrigado a todos os árbitro que aceitou meu convite para está ajudando em nossa copa , também a Sensei Latif por não medir dificuldades para disponibilizar eles (a)… #gnoneysempreindoabusca  #organizaçãognoneyDeclarou ele.

A Associação Bartolomeu de judo (Barju DE Judô Barju) da cidade de Wenceslau Guimarães também esteve em Mutuípe e comentou a data: “A Barju tem a satisfação de agradecer a Deus por está a todo momento abençoando a nossa associação, a o prefeito Kaka e os nobres amigo Vereador Venâncio e Mael, nos cedendo o transporte para participarmos da XVII COPA DO VALE DO JIQUIRIÇÁ. Sem eles não sérias possível estar presente na comemoração dos 30 anos de judô em Gno-ney Mutuipe”.


Arco – íris atravessa o céu de Mutuípe, dando um colorido à tarde fria de inverno


No fim da tarde deste domingo (18) os moradores de Mutuípe foram contemplados com um lindo arco-íris, o fenômeno apareceu  sobre o centro da cidade e pode ser visto de todos os lados da cidade.

Um arco-íris aparece quando a luz branca do sol é interceptada por uma gota d’água da atmosfera. Parte da luz é refratada para dentro da gota, refletida no seu interior e novamente refratada para fora da gota. A luz branca é uma mistura de várias cores. Quando a luz atravessa uma superfície líquida – no caso, a gota da chuva – ou sólida (transparente), a refração faz aparecer o espectro de cores: violeta, anil, azul, verde, amarelo, laranja e vermelho.

“Quando a luz do sol atravessa um trecho de chuva, ela é refletida e refratada no interior das gotas e devolvida em várias cores ao ambiente”, segundo o Departamento de Física da USP. Mas o arco-íris não existe realmente. Ele é uma ilusão de óptica cuja posição aparente depende da posição do observador. Todas as gotas de chuva refratam e refletem a luz do sol da mesma forma, mas somente a luz de algumas delas chega ao olho do observador.

Segundo cientistas, ás vezes é possível que um segundo arco-íris, mais fraco, possa ser visto fora do arco-íris principal. Esse raro fenômeno ocorre quando há dupla reflexão da luz do sol nas gotas de chuva. Devido à reflexão extra, as cores do arco são invertidas quando comparadas com o arco-íris  principal.

Lendas

Existem muitos fatos e lendas que se referem ao arco-íris, cuja maioria pertence ao reino do imaginário, fruto do folclore popular ou da criatividade poética e artística. Antigamente, e até hoje em dia, há quem pense, porém, que este fenômeno ótico é um sinal divino. No Antigo Testamento faziam apologia ao arco-íris, como sendo o símbolo da Aliança. Dizem que Deus, depois do dilúvio, fez a promessa que nunca voltaria a repetir-se essa catástrofe na terra e, para isso, surgiria no céu algo simbolizando a conciliação, o arco-íris.

Os ameríndios acreditam que o arco-íris é constituído pela alma das flores silvestres nascidas nas florestas ou dos lírios do vale. Outra história diz respeito à existência de um pote cheio de moedas de ouro no final do arco-íris, mas isso faz parte do lendário, desafiando aquele que estiver disposto a encontrar esse imaginário tesouro escondido e ficar rico…


Padre José Roberto anuncia o Jubileu de Ouro da Paróquia São Roque


Na última noite do novenário, que preparou para a Festa de São Roque, padroeiro de Mutuípe neste ano de 2019, o pároco, o Padre José Roberto, empossou um novo Conselho Administrativo Paroquial, e anunciou os preparativos para as celebrações do Ano Jubilar em 2020, que comemorará os 50 anos da criação da Paróquia São Roque.

O aniversário da Paróquia São Roque é uma data importante para os mutuipenses, já que foi uma conquista histórica, foram 63 anos pertencendo a Paróquia Senhor do Bonfim de Jiquiriçá, para em poucos meses da posse de Dom Alair Vilar Fernandes de Melo, como segundo Bispo da Diocese de Amargosa, ser criada aos 27 de Novembro de 1970, a Paróquia São Roque de Mutuípe, tendo por primeiro pároco, o Monsenhor Walter Jorge Pinto de Andrade, que nos últimos tempos reside em Salvador.

Todo movimento para a instalação da Paróquia na década de 70, se deu pelos trabalhos do já falecido, Monsenhor Gilberto Vaz Sampaio, que em 1965, decide demolir a Capela de São Roque, realiza a primeira Feira Chic em 1967, e entrega a atual matriz pronta em sua saída em 1969, fazendo a marcante Procissão de São Roque com cada um dos fiéis levando uma telha para a cobertura do novo templo.

Os fiéis recordam com expectativa as comemorações já realizadas no aniversário da Paróquia, como a inesquecível festa dos 25 anos em 1995, que reuniu em uma Procissão todos os padroeiros das comunidades, e da grande festa dos 40 anos em 2010, com a visita da Imagem do Bom Jesus da Lapa, que movimentou as ruas de Mutuípe.

Com a desmembração de quatorze comunidades para criação da Paróquia Santo Antônio de Pádua de Mutuípe, em fevereiro deste ano, a Paróquia São Roque chegará em 2020 para celebrar seus 50 anos com três comunidades urbanas e onze rurais.