Mega-Sena pode pagar R$ 2,5 milhões neste sábado

Neste sábado (3), às 20h no horário de Brasília, a Mega-Sena pode pagar um prêmio de R$ 2,5 milhões. O concurso 1.439 será sorteado no Caminhão da Sorte, que está na Avenida José Frare, em Morungaba (SP). Para concorrer, basta procurar qualquer uma das mais de 11.900 loterias espalhadas pelo país ou, se for cliente … Leia Mais


Duas apostas de SP dividem prêmio de R$ 38 milhões da Mega-Sena

  Duas apostas de São Paulo (SP) acertaram as seis dezenas do concurso número 1.438 da Mega-Sena, realizado na noite desta quarta-feira. O prêmio, de R$ 38 milhões, será divido entre os dois ganhadores. Cada um receberá R$ 19.240.377,33. Confira as dezenas sorteadas hoje: 07 – 14 – 31 – 33 – 36 – 49. De acordo … Leia Mais


Onda de violência em SP é reação a combate ao crime, diz polícia

O comandante da Tropa de Choque da Polícia Militar de São Paulo, coronel César Augusto Morelli, disse na tarde desta quarta-feira (31) que “há muita novela” sobre a ordem de chefes de facção criminosa para vingar, com a morte de policiais, o assassinato de criminosos. A afirmação ocorre um dia após o governadro Geraldo Alckmin … Leia Mais


Mega-Sena acumula e paga R$ 38 milhões na próxima quarta

Ninguém acertou os números sorteados na noite deste sábado (27), em Vitória, no Espírito Santo, do concurso 1.437 da Mega-Sena. As dezenas sorteadas foram 22 – 23 – 26 – 37 – 38 – 48, não teve ganhador.  Na próxima quarta-feira (31), o prêmio estimado é de R$ 38 milhões, segundo a Caixa Econômica Federal. … Leia Mais



Mega-Sena sorteia R$ 30 milhões neste sábado


A Mega-Sena sorteia R$ 30 milhões, neste sábado (27). O sorteio de número 1.437 acontece às 20h (horário de Brasília) em Vitória, no Espírito Santo. Segundo a Caixa Econômica Federal (CEF), se o prêmio for investido na poupança, ele pode render mais de R$ 128 mil. Os R$ 30 milhões também podem comprar  60 imóveis de R$500 mil cada, ou 300 carros de luxo . A aposta mínima é de R$ 2, e os jogos podem ser feitos até às 19h (horário de Brasília) em qualquer uma das mais de 11 mil casas lotéricas do país.


Cachoeira lidera detentos da Penitenciária da Papuda


O empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, levou para a prisão a expertise que adquiriu enquanto comandava o esquema da máfia dos caça-níqueis, que movimentou R$ 84 milhões, segundo a Operação Monte Carlo, da Polícia Federal. O bicheiro é apontado como líder informal dos detentos da Penitenciária da Papuda. Lá, ele centraliza queixas contra a direção e os agentes, declama direitos humanos e se faz, às vezes, de assistente social de presos e de seus familiares. Cachoeira, hoje 16 quilos mais magro, ocupa sozinho uma cela. No início da prisão, ele chegou a dividir o espaço com outros presos da operação, mas, nove meses depois, apenas ele e Gleyb Ferreira da Cruz permanecem encarcerados. Tido como arrogante na carceragem, Carlos Ramos ainda resiste em abaixar a cabeça para os agentes e autoridades e responde a processos internos por desacato. Com informações do jornal Estado de S. Paulo.


Tenente-coronel sofre sequestro relâmpago


Ilustrativo

Um tenente-coronel da reserva da Polícia Militar foi sequestrado em Stella Maris, em Salvador, na manhã desta terça-feira (23). De acordo com a Polícia Rodoviária Estadual (PRE), o PM foi abordado por quatro homens quando estava em seu carro e foi colocado na mala do veículo. Ainda segundo a polícia, após ser sequestrado, o homem foi obrigado a fazer saques em caixas eletrônicos. O PM foi solto pelos suspeitos juntamente com o carro em Catu de Abrantes e passa bem, informou a PRE.

G1


Amargosa: Dona de casa tem o nome do pai registrado pouco antes dele falecer


Com três filhos, a dona de casa Jelza dos Santos Souza tinha um sonho: ter o nome do pai registrado em sua certidão de nascimento. Em junho deste ano, a assistida procurou a Defensoria Pública e solicitou a realização do exame de DNA, durante sessão itinerante realizada pela 6ª Regional na cidade de Amargosa, localizada a 235 Km de Salvador. Jelza Souza não sabia, mas a confirmação da paternidade seria uma das últimas ações feitas pelo pai. Enfermo, ele faleceu pouco menos de um mês após reconhecer a dona de casa como sua filha. “Durante toda a minha vida quis ter um pai. Infelizmente, pude conviver com ele por pouco tempo, mas, graças à Defensoria, terei o nome dele em minha certidão para o resto da vida”, revelou a assistida.

 

De acordo com a subcoordenadora da Regional de Santo Antônio de Jesus, Guiomar Fauaze, a história é uma das muitas encontradas nos mutirões de atendimento da Regional. “Estivemos aqui em junho, fizemos o DNA de dona Jelza e, em agosto, retornamos com o resultado positivo, o que possibilitou o registro da paternidade. No entanto, hoje ficamos sabendo que, infelizmente, o pai dela faleceu quase um mês após o reconhecimento. O sonho de ter o nome do pai registrado, no entanto, foi realizado”, destacou a defensora. Com uma Ação de Averbação, a Defensoria espera garantir agora a inclusão do nome do avô nas certidões dos filhos de Jelza Souza.

 

ITINERÂNCIA

As ações itinerantes da 6ª Regional envolvem uma equipe formada por defensores e servidores. No início desta semana (dias 15 e 16), a caravana esteve nas cidades de Amargosa e Mutuípe, onde realizou cerca de 120 atendimentos, entre coleta e divulgação de resultados de DNA, consultas jurídicas na área criminal, acordos de alimentos, elaboração de divórcios consensuais, entre outros. Em Amargosa, a equipe da Defensoria atendeu ainda o lar de idosos Fazenda Esperança. A segunda etapa da itinerância acontece nos dias 30 e 31 de outubro, e 1º de novembro, quando as cidades de Nazaré, Aratuípe, Muniz Ferreira, Dom Macedo e Varzedo serão visitadas.

Para o defensor Armando Fauaze, que também atua na 6ª Regional, esta é uma das ações mais consistentes da Defensoria. “Fazemos com que as pessoas tenham acesso à Justiça aonde quer que elas estejam, seja nas praças, nos fóruns da cidade, ou em outros lugares”, lembrou. Por: Gil Ferraz (Voz da Bahia)


No Brasil, punição para furto é mais severa que para corrupção


A baixíssima incidência de presos condenados por corrupção no sistema carcerário brasileiro não pode ser atribuída à natureza não violenta do crime. Prova disso é que aproximadamente 70 mil pessoas cumprem pena no país por furto, destaca o pesquisador da Fundação Getulio Vargas Pedro Abramovay, ex-secretário nacional de Justiça. Para cada preso por corrupção no país, há cem encarcerados por subtração de coisa alheia, de acordo com a estatística mais atualizada do Depen. Embora considere os dois crimes graves, Abramovay não concorda com a adoção de diferentes critérios na hora de decidir quem deve ir ou não para a cadeia. (OGlobo)