Secretaria de Saúde de Amargosa emite nota sobre morte de gestante de 17 anos


A secretaria de saúde do município de Amargosa emitiu nota em relação a morte de gestante Tailane Santos de 17 anos, a família acusa do hospital local de negligencia médica. Veja a seguir o que diz o documento.

NOTA DE ESCLARECIMENTO – 6 DE NOVEMBRO

Sobre o caso da paciente TS.S., que foi a óbito no Hospital Maternidade Luiz Argolo, no dia 1º de novembro, a Secretaria de Saúde de Amargosa esclarece que:

No último dia 24 de outubro, a gestante T.S.S. deu entrada no Hospital Municipal de Amargosa, às 09h08, relatando dor em baixo ventre, negando perda de líquido e sangramento. A paciente foi prontamente acolhida e atendida pela emergência de nossa unidade, avaliada pelo médico plantonista e enfermeira obstetra que, através da ultrassonografia solicitada, confirmaram que a gestante não estava em trabalho de parto naquele momento. Após avaliação, a paciente recebeu todos os esclarecimentos sobre os sinais efetivos sobre o trabalho de parto e, depois de medicada, apresentou melhoras e teve alta médica.

No dia 26 de outubro, às 13h17, T.S.S. deu entrada novamente no HMA, acompanhada por familiar no momento da admissão, com queixa de cólicas e perda de liquido, levando resultado de ultrassonografia que indicava oligodrâmnio (pouco líquido amniótico). Ela foi avaliada por médico plantonista e internada imediatamente, tendo sua regulação solicitada às 13h58.

Às 14h52 o Sistema de Regulação Estadual (SISREG) autorizou a regulação da paciente para o Hospital Maternidade Luiz Argolo, sendo a mesma encaminhada para a unidade acompanhada por familiar e por profissional de enfermagem do HMA. Vale salientar que a regulação não depende diretamente do Hospital Municipal de Amargosa, sendo necessário aguardar o parecer do SISREG.

A Secretaria de Saúde destaca ainda que a regulação foi realizada devido ao risco apresentado para o bebê, uma vez que foi detectada a perda de líquido amniótico, mas este nasceu sem maiores riscos e está bem.

Salientamos ainda que o óbito da gestante ocorreu no Hospital Maternidade Luiz Argolo. Ao deixar a unidade do Hospital Municipal de Amargosa, ela não apresentava sinais de risco.

A Secretaria Municipal de Saúde está apurando junto ao Hospital Maternidade Luís Argolo as causas da morte de T.S.S e aguarda o diagnóstico da paciente, ratificando que o Hospital Municipal de Amargosa prestou toda a assistência necessária dentro de sua estrutura durante permanência da paciente.

Ressaltamos ainda que o HMA sempre preza pelo cuidado na assistência a seus usuários. Dispomos de uma sala exclusiva de parto, devidamente equipada com todos os aparelhos necessários, além de equipe médica e de enfermagem capacitada para realização do parto natural.

Desde a inauguração do Serviço de Parto Normal do HMA, em 30 de maio de 2017, até o dia 1º de novembro de 2017, foram realizados na unidade 164 partos naturais sem nenhum tipo de complicação, incluindo partos prematuros.

Enfatizamos que Secretaria de Saúde de Amargosa, juntamente com a direção do hospital, encontra-se à disposição dos familiares da T.S.S. para quaisquer esclarecimentos sobre o caso.

Prestamos nossas mais sinceras condolências a todos os familiares e amigos da paciente, reafirmando o compromisso buscar sempre oferecer a melhor assistência de saúde à população de Amargosa.